concursos, exposições, curiosidades... sobre arte
escolhidos por MARIA PINTO
(Maria Regina Pinto Pereira)

http://maregina-arte.blogspot.com/

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

Exposição PulsationsPulsações - Do arquivo vivo de Sérvulo Esmeraldo - PoA - RS


 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Sérvulo Esmeraldo - foto: Leonard De Selva
Para imagens em alta resolução, texto curatorial e release completo, acesse o press kit aqui: https://goo.gl/6DCAaf

Instituto Ling apresenta exposição de Sérvulo Esmeraldo

Abertura da mostra PulsationsPulsações - Do arquivo vivo de Sérvulo Esmeraldo acontece no dia 28 de novembro, com palestra do curador Ricardo Resende e da viúva do artista, Dodora Guimarães



De 28 de novembro a 31 de março de 2018, Instituto Ling apresenta PulsationsPulsações - Do arquivo vivo de Sérvulo Esmeraldoprimeira exposição póstuma do artista cearense, falecido em fevereiro deste ano, pouco antes de completar 88 anos. A exposição mostra uma das trajetórias mais originais da arte brasileira: conhecido por seu rigor geométrico-construtivo, Esmeraldo incursionou pela escultura, a gravura, a ilustração e a pintura, tendo sido um dos pioneiros da arte cinética e autor de obras de geometria e luminosidade singulares. A mostra, com curadoria de Ricardo Resende, traz 84 peças - entre gravuras, matrizes, desenhos, estudos, relevos, maquetes, instalações, documentos e fotografias - que fazem parte do arquivo do IAC - Instituto de Arte Contemporânea (São Paulo/SP). Por ocasião da abertura da exposição, na terça-feira, 28 de novembro, às 19h, o curador Ricardo Resende e Dodora Guimarães viúva do artista e sua companheira por quase 40 anos -, farão uma conversa aberta com o público sobre a obra de Sérvulo Esmeraldo. A entrada é franca, por ordem de chegada (mais informações no serviço abaixo).
Organizada a partir do arquivo de Sérvulo Esmeraldo - atualmente sob a guarda do IAC -, a exposição compreende a fase em que o artista viveu na França (1957-1980). Este arquivo documental e de acervo de Esmeraldo ficou guardado intacto por cerca de 40 anos no ateliê do artista e amigo argentino Júlio Le Parc, em Paris. O material permite mostrar que, por trás do artista que soube manter o espírito da criança em seu interior, existia um pensador comprometido com a pesquisa das linguagens artísticas. "Os arquivos são fonte inesgotável de informações, de experiências e vivências do processo criativo. Guardam o processo da obra e, com ele, é possível conhecer o pensamento do artista", diz Resende em seu texto curatorial. A mostra no Instituto Ling também tem origem na exposição O Arquivo Vivo de Sérvulo Esmeraldo, realizada em 2014, no IAC.
PulsationsPulsações joga luz sobre o rico processo criativo do artista em seus primeiros anos na França, uma fase de aprendizado, de iniciação nas técnicas da gravura em metal e litografia. Contempla os desenhos e as gravuras em metal que compõem esse período europeu, sob a influência do abstracionismo lírico que vigorava na capital francesa naquele momento, que seria uma resposta à Action Painting nova-iorquina. É acompanhada, ainda, de uma seleção de esculturas e de duas pinturas posteriores a essa fase, quando explorou a topologia das coisas e formas.
"São trabalhos definitivos para a compreensão da importância de sua contribuição para a arte brasileira. O que se vê no arquivo agora exposto é esse mesmo olhar e os mesmos gestos divagantes, que passam por todas as formas de representação artística, principalmente daquelas que não conhecemos. Manchas, ranhuras, rabiscos e linhas, pulsações das quais saem novas formas sobre o papel e sobre o espaço", diz Resende em seu texto curatorial. Para saber mais, acesse o texto curatorial completo aqui: https://goo.gl/6DCAaf
A exposição é organizada pelo Instituto Ling e o IAC - Instituto de Arte Contemporânea de São Paulo, com patrocínio da Crown Embalagens e realização do Ministério da Cultura / Governo Federal

Serviço:

Exposição PulsationsPulsações - Do arquivo vivo de Sérvulo Esmeraldo

Artista: Sérvulo Esmeraldo
Curadoria: Ricardo Resende
Local: Galeria do Instituto Ling

Abertura: 28 de novembro, terça-feira, às 19h
Palestra com o curador Ricardo Resende e Dodora Guimarães, viúva do artista. Local: AuditórioEntrada franca (lugares limitados. Entrada por ordem de chegada, com distribuição de senhas 30min antes do início da palestra)


Período de visitaçãoDe 28 de novembro de 2017 a 31 de março de 2018
Horário: de segunda a sexta, das 10h30min às 22h e sábados, das 10h30min às 20h
Entrada Franca
Agendamento grupos e escolas: solicitações pelo email educativo@institutoling.org.br ou pelo fone (51) 3533-5700
Endereço: Rua João Caetano, 440 | Bairro Três Figueiras | Porto Alegre
Fone: 51 3533-5700 | Email: instituto.ling@institutoling.org.br

onde estão os negros na arte? debate com Ana Lira, Bia Rodrigues e Josè Cleiton Carbonel - mamam - PE

Como parte das atividades ligadas ao mês da Consciência Negra, a revista Continente realiza na próxima quinta, dia 23 de novembro de 2017, às 19h, no auditório do Mamam, um debate com Ana Lira, Bia Rodrigues e Josè Cleiton Carbonel, artistas da produção visual negra contemporânea em Pernambuco. O tema do debate é também o que mobilizou a reportagem especial de capa deste mês: onde estão os negros na arte? Falemos de Brasil, de conquistas, de luta antirracismo e, sobretudo, da potência expressiva desses artistas.

A mediação é do gestor cultural e artista Carlito Person.

>>> O acesso é gratuito <<<

Mais informações: CLIQUE AQUI.
Share
Tweet
Forward
SERVIÇO
Museu de Arte Moderna Aloisio Magalhães (MAMAM)
Rua da Aurora, 265, Boa Vista, Recife, Pernambuco, CEP: 50050 000
Horário de visitação: terça a sexta, das 12:00 às 18:00, sábados e domingos, das 13:00 às 17:00.
Entrada gratuita

AGENDAMENTOS
As visitas educativas são gratuitas. Agendamento de grupos e escolas pode ser feito através do [81] 3355-6871 ou pelo e-mail educmamam@gmail.com.

Convocatória para Exposição Coletiva – Fotógrafos Cearenses


Convocatória para compor exposição do Encontros de Agosto 2017, que traz como tema FRONTEIRAS – olhar adiante. Nessa 7ª edição do Festival, o Museu da Cultura Cearense do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura será ocupado com as mostras coletivas de cearenses e de fotógrafos convidados do Uruguai, com abertura em 14 de dezembro e visitação até 28 de janeiro de 2018.
O objetivo é selecionar ensaios fotográficos de artistas cearenses produzidos em torno do tema “FRONTEIRAS – olhar adiante”, realizados nos últimos três anos, para ocupação de salas do Museu da Cultura Cearenses no Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura.
Poderão participar desta Convocatória fotógrafos cearenses ou residentes no Ceará há pelo menos dois anos, profissionais ou amadores, com propostas individuais ou coletivas. Serão selecionados até vinte ensaios inéditos ou já exibidos, sendo de responsabilidade do Festival
a produção das impressões e montagens dos trabalhos.
CRONOGRAMA– Inscrições: até 30 de novembro/2017, via online
– Taxa de inscrição: não
– Premiação: R$ 5.000 para o 1º colocado e R$ 2.500 para o segundo colocado + aR$ 500 de ajuda de custo à todos os selecionados.

– Edital: http://bit.ly/2iLHY50 . Ficha de Inscrição: http://bit.ly/2hOZiFl

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

EXPOSIÇÃO INTEGRAÇÃO - OBRAS DE ZORAVIA BETTIOL

Concurso de fotografia “Luz contra o racismo”


Com o objectivo de alcançar a redução da desigualdade e da discriminação, seja por motivos de origem, raça, sexo ou religião, propomos que, graças à sua criatividade, captando imagens surpreendentes que exprimam valores de convivência, cooperação, crescimento e melhoria da Sociedade, estão abertas as inscrições para o concurso de fotografia "Luz contra o racismo" que tem lugar por ocasião da celebração das jornadas anti-Racismo 2018.
Pode concorrer a este concurso qualquer pessoa, sem qualquer limitação de nacionalidade, sexo, origem ou situação legal. Os menores de idade devem enviar autorização parental ou o tutor legal,digitalizada.
O concurso se-se em duas categorias: imagem individual e histórias e a temática das obras deve estar ligada aos seguintes temas: Interculturalidade, convivência, imigração, igualdade de direitos e luta contra o racismo e a xenofobia.
Os requisitos para cada categoria são os seguintes:
- Imagem Individual: cada autor pode apresentar um máximo de três fotografias individuais. Nesta categoria as imagens serão tomadas em consideração individualmente.
- Histórias: cada autor pode apresentar um único trabalho composto por um mínimo de quatro imagens e um máximo de dez, ligados entre si.
CRONOGRAMA
– Inscrições: até 9 de Janeiro/2018, via email
– Taxa de inscrição: não
– Premiação: sim. 

– Regulamento: http://bit.ly/2zoEOOZ

Chamada Lab Horizontes



O laboratório Horizontes é um espaço de democratização para o desenvolvimento de arte e tecnologia, com o objetivo de experimentar, apoiar e acelerar projetos. É também um ambiente de encontros, de trocas de experiências e de aprendizagem.
A chamada pretende selecionar coletivos formados por jovens, já iniciados em arte e tecnologia, com o intuito de apoiar o processo de desenvolvimento de projetos de cultura digital. Os participantes devem ter de dezoito a vinte e nove anos. A chamada atual abrange projetos nas áreas de design, web, computação gráfica, vídeo, fotografia e arte digital.
O Laboratório Horizontes irá disponibilizar espaço, equipamentos (utilização na própria Oi Kabum! Lab) e suportes de orientação e metodologia aos projetos selecionados.
A proposta do projeto precisa envolver mais de uma pessoa e deve se enquadrar em pelo menos uma das seguintes linhas:
A – Projeto de investigação artística que se apropria de técnicas artísticas digitais.
B – Projeto que articule cultura digital e cidadania, que implique em impacto social em comunidade (s), na cidade e/ou no ambiente virtual.
C – Projeto educativo que utilize recursos digitais. Curso, criação de tutoriais etc.
D – Projeto empreendedor ligado à economia criativa. Novos negócios e desenvolvimento de projetos para terceiros (prestação de serviços nas áreas de conhecimento apoiadas).
CRONOGRAMA
– Inscrições: até 30 de dezembro/2017, via online
– Taxa de inscrição: não
– Edital + Inscrição: http://bit.ly/2Alg9L3

Convocatória para Exposições 2018 – Fundação Casa das Artes de Bento Gonçalves (RS)



A Fundação Casa das Artes, instalada na cidade de Bento Gonçalves (RS), está com inscrições abertas para compor a agenda cultural do espaço em 2018. Serão selecionados artistas, grupos ou coletivos para realizar exposições de Artes Visuais.
Poderão inscrever-se artistas de todas as nacionalidades, que já tenham realizado no mínimo uma exposição individual ou duas mostras coletivas, aprovadas por Instituições de reconhecido valor ou participação em Salões, com ou sem premiação
Os espaços disponíveis para os projetos ficam na Galeria de Arte (que possui dezesseis módulos móveis) e no Salão Nobre de Exposições Anastácio D. Orlikowski, ambas localizadas no terceiro piso da Fundação – cujo complexo, inaugurado em 2005, possui ao todo quatro mil metros quadrados de área. Serão selecionadas dezoito exposições, podendo ser de artista individual, coletivos ou grupos.
À Fundação Casa das Artes cabe a tarefa de divulgação, com postagem de convites, sendo que as responsabilidades de produção (suporte das obras, remessa, devolução e seguro) são delegadas aos artistas e grupos.
CRONOGRAMA
– Inscrições: até 27 de novembro/2017, via email
– Taxa de inscrição: não
– Premiação: não. 

– Regulamento + Ficha de Inscrição: http://bit.ly/2zt7F4B

Prêmio EDP nas Artes 2018



O Prêmio EDP nas Artes, desde 2009, vem contribuindo para o mapeamento, reconhecimento e formação da atual produção artística no Brasil, por meio do acompanhamento curatorial dos artistas selecionados, exposições, catálogos, publicações e debates.
Dando continuidade a essa série de iniciativas, o Prêmio propõe uma Residência, que, com o objetivo de apoiar a formação de artistas, oferece uma oportunidade de estudo e prática artística na Escola Entrópica do Instituto Tomie Ohtake, além de espaço para residir e produzir na cidade de São Paulo.
Serão selecionados dois artistas entre dezoito e vinte e sete anos para a Residência, a ser realizada entre março e julho de 2018. Os selecionados serão contemplados com passagens aéreas ou terrestres (à cidade de São Paulo e retorno à cidade onde reside atualmente), hospedagem e bolsa integral para as atividades da Escola Entrópica no Instituto Tomie Ohtake.
Poderão se inscrever artistas brasileiros ou estrangeiros residentes no Brasil há pelo menos dois anos, e com atuação nas diversas expressões da área de artes visuais (pintura, desenho, gravura, escultura, colagem, instalação, fotografia, vídeo, performance, som, novas mídias e outras), que tenham disponibilidade para participarem integralmente das atividades da Residência durante o período proposto.
CRONOGRAMA
– Inscrições: até 22 de dezembro /2017, via online
– Taxa de inscrição: não
– Premiação: sim. 

– Regulamento + Inscrição: http://bit.ly/2iGXTBu

GENERICX - oficinas sobre a questão de gênero e sexualidade - SESC Pompéia - SP

Durante este final de semana, de sexta a domingo, o Sesc Pompeia traz três oficinas que levantam o debate sobre questões de gênero e sexualidade. Os eventos fazem parte do projeto GENERICX e acontecem das 14h30 às 17h30.
➡ SEXTA, 24/11: Pelo Olhar do Outro. 
Orientação: Coletivo Trans Sol
➡ SÁBADO, 25/11: Lambe-Lambe Para Meninxs 
Orientação: Coletivo Casa 1
➡ DOMINGO, 26/11: Folha de Atividade
Orientação: Bruno Novaes.
Retirada de senha com 30 minutos de antecedência na Loja Sesc.
folha
https://www.facebook.com/sescpompeia/posts/1731982523512831

7º Prêmio Ibema Gravura - relação dos premiados



1º prêmio - Igor Rodacki - Museu da Gravura de Curitiba

2º lugar - Raquel Costa Ribeiro - UFMG

3º lugar - Julia Bastos de Souza - Centro Universitário Belas Artes de São Paulo

Conheça as obras vencedoras do 7º Prêmio Ibema Gravura

Obras ficarão expostas no Museu da Gravura Cidade de Curitiba

O artista e estudante do Museu da Gravura de Curitiba, Igor Rodacki, foi o grande vencedor do 7º Prêmio Ibema Gravura. Igor ficou em primeiro lugar com a obra “Maquinal Espontânea”. Em segundo lugar está a estudante da Universidade do Estado de MG (UEMG), Raquel Costa Ribeiro com a xilogravura "Única e verdadeira árvore numa plantação de pedras" e Julia Bastos de Souza, do Centro Universitário Belas Artes de São Paulo, conquistou o terceiro lugar com a gravura em metal “Retratos: La Loba”.
Única premiação do Brasil desenvolvida pela iniciativa privada, O Prêmio Ibema Gravura tem o objetivo de incentivar a arte e a utilização das técnicas relacionadas à gravura entre estudantes do Brasil. Fabiana Biriba, coordenadora do prêmio, afirma que, a cada edição, os artistas se mostram mais engajados. “A força, expressividade e ousadia em que são tratados temas atuais, ligados a delicadeza das expressões e traços de uma arte milenar, é envolvente. Estes artistas também contam com o importante e indispensável incentivo de seus professores, universidades e centros de ensino. Juntos, seguimos a missão de revelar novos talentos e colaborar com a propagação da arte.
As obras foram analisadas pelo corpo de jurados composto pela artista plástica e especialista em gravura Uiara Bartira, a artista e professora na Escola de Música e Belas Artes do Paraná – EMBAP, Bernadette Panek e pela coordenadora do Museu da Gravura de Curitiba, Juliana Leonor Kudlinski. Para Bernadette, as obras premiadas nesta edição mostraram, além do cuidado na apresentação, no enquadramento do papel, na limpeza e na qualidade de impressão, um preciosismo técnico e riqueza nas representações. “A escolha sempre nos coloca em uma situação complexa, pois certamente deixamos de fora obras que gostaríamos de premiar, mas ficamos felizes pelo resultado”, conta a artista.
Vernissage no Museu da Gravura Cidade de Curitiba
As 20 obras selecionadas serão apresentadas juntamente com seus autores em uma vernissage, no dia 07 de dezembro que acontecerá no Museu da Gravura da cidade de Curitiba – Solar do Barão. O evento é gratuito e aberto ao público. Na ocasião, serão entregues os prêmios que totalizam R$ 13 mil, além de certificados e menções honrosas aos artistas vencedores.
Para a coordenadora do Museu e jurada do prêmio, Juliana Kudlinski, “é gratificante a oportunidade de conviver, por um momento, com a produção de tantos artistas da gravura que acreditam e desenvolvem seus trabalhos em processos considerados tradicionais. É a capacidade individual que transforma o que já foi visto tantas vezes em obras capazes de instigar”, conclui.

SERVIÇO
Mostra 7º Prêmio Ibema Gravura
7 de dezembro a 25 de fevereiro/2018
Museu da Gravura Cidade de Curitiba - Solar do Barão
Rua Presidente Carlos Cavalcanti, 533, Solar do Barão – Centro
Horário de visita: 9h às 12h e 13h às 18h (3ª a 6ª feira) e 12h às 18h (sábado e domingo
Entrada gratuita
Sobre a Ibema: Gerar valor de maneira sustentável por meio da fabricação e distribuição de produtos que conquistem a preferência dos clientes, contribuindo com iniciativas que favoreçam toda a cadeia, com a dedicação e preocupação de garantir o melhor resultado para a empresa e seus clientes. Esta é a missão da Ibema, fabricante de papelcartão, que permeia a sua atuação com base no conceito de foco do cliente. A empresa, fundada em 1955, é hoje um dos players mais competitivos da América Latina. Sua estrutura é composta por sede administrativa localizada em Curitiba, centro de distribuição direta em Araucária com área útil de 12 mil m2 e fábricas instaladas nos municípios de Turvo, no Paraná, e em Embu das Artes, em São Paulo, que juntas possuem capacidade de produção anual de 140 mil toneladas. Em seu portfólio, estão os melhores produtos, reconhecidos pela qualidade e performance na indústria gráfica. A empresa, que atualmente conta com aproximadamente 880 colaborares, possui unidades certificadas pela ISO 9001, pela ISO 14001 e pelo FSC (Forest Stewardship Council). Para mais informações sobre produtos e serviços, acesse o nosso site, disponível também nos idiomas espanhol e inglês: www.ibema.com.br.

sábado, 18 de novembro de 2017

exposição: A "arte degenerada" de Lasar Segall: perseguição à arte moderna em tempos de guerra - SP




exposição MAGLIANI - cortes e impressões - UNIPAMPA - RS -


A Universidade Federal do Pampa - UNIPAMPA, Campus Jaguarão, RS, pode ser considerada como um território acadêmico de mobilidade e de transitoriedade de indivíduos advindos de diversos lugares do Brasil. Nesse sentido, percebeu-se a necessidade de implementar uma Galeria Intercultural, que venha a facilitar o diálogo com os estudantes através das artes visuais, de maneira a proporcionar uma maior integração cultural entre a comunidade acadêmica e a comunidade externa. Maria Lídia dos Santos Magliani (Pelotas/RS/1946-Rio de Janeiro/RJ/2012) foi escolhida para ser a homenageada, por sua irreverência e luta, com o nome da Galeria Intercultural Magliani – GIM, que agora inaugura na UNIPAMPA. A homenagem tem o intuito de dar visibilidade à obra da artista e manter viva a sua história, estimulando que mais mulheres produzam e façam arte. Magliani nasceu em Pelotas e ainda criança se mudou para Porto Alegre com a família, pintora, desenhista, gravadora, ilustradora, figurinista, cenógrafa, na década de 1960 cursou artes plásticas e pós-graduação em pintura no Instituto de Artes da Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS, sendo a primeira artista negra a ser formada pela Instituição. Sua arte está voltada às temáticas do apoderamento do corpo e da mulher. A exposição Magliani – cartas e impressões reúne um conjunto de 14 trabalhos, entre xilogravura, monotipia e gravura em metal, que se constituem como um pequeno diário visual, a série “Cartas” é o retorno da artista às cores intensas na sua pintura com certo lirismo que remete aos seus primeiros trabalhos.
Essa exposição se tornou possível graças a uma parceria que a equipe gestora do projeto estabeleceu com o Estudio Dezenove no Rio de Janeiro, seu antigo atelier e que atualmente se constitui como um centro de pesquisa e organização da obra de Magliani. Em reconhecimento da importância do conjunto de seu trabalho a Prefeitura de Porto Alegre inaugurou a Rua Maria Lídia Magliani no dia 30 de setembro desse ano, também uma importante iniciativa do poder público visando preservar sua memória.
GIM configura-se uma proposta de implementação de uma galeria de arte no âmbito acadêmico, como um Programa de Extensão, ressaltando a importância desses espaços culturais na construção e na estruturação de novos poderes simbólicos, que dialoguem e sejam reflexo do convívio entre a comunidade acadêmica e a comunidade do entorno da UNIPAMPA, possibilitando a integração e o compartilhamento da produção cultural em diversas esferas do conhecimento e das linguagens artísticas. Nesta lógica, os objetivos da Galeria são: possibilitar, com a criação do espaço intercultural e multiuso, a produção e a propagação de outras linguagens estéticas dentro das artes e visuais; promover a experiência à comunidade acadêmica e fronteiriça, a expor seu trabalho de arte resultantes do diálogo integrador; estimular o trânsito da comunidade externa à UNIPAMPA para a visitação da GIM, bem como o olhar contemplativo e crítico do público para com as obras expostas. 
-- 

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

SOL NA BARRIGA - creativity Masterclass 01 - mam - SP

Creativity Masterclass 01
Sol na Barriga
com Charles Watson
Em São Paulo
no MAM
De 24 a 26 nov
Ao contrário do que o senso comum afirma, criatividade n˜åo é uma qualidade livre e autônoma, pois não pode ser dissociada do investimento verticalizado em uma atividade ou linguagem específica.

exposição fotográfica OS RIOS DA COMISSÃO Geográfica e Geológica - UMAPAZ - SP



Em 1886, o governo da província de São Paulo criou, para fins de estudo, pesquisa e levantamento do solo paulista, a Comissão Geográfica e Geológica - CGG, patrocinada pela elite cafeeira que via neste projeto a possibilidade de aumentar a produção e, consequentemente, a influência política. 
O trabalho da Comissão resultou em relatos, levantamentos cartográficos, estudos detalhados da geografia, geologia, climatologia, botânica, hidrografia etc., propiciando as bases da ocupação territorial das chamadas Terras Desconhecidas do Estado.
A Comissão existiu até 1931, e deu origem a importantes instituições de pesquisa, como os atuais institutos Florestal, Botânica, Geológico, Geográfico e Cartográfico, os museus: Paulista (Ipiranga), de Zoologia, e Geológico (MUGEO), entre outras.
A história da Comissão nos remete aos processos e transformação ocorridos no início do século XX no Estado de São Paulo, principalmente àqueles relacionado às mudanças da paisagem natural decorrentes do processo de ocupação do território paulista e da apropriação econômica dos recursos naturais.
Com o objetivo de divulgar e trazer à sociedade a importância deste trabalho, seu valor histórico, a causa, a consequência e o reflexo na atualidade, a exposição apresenta os principais rios paulistas - Tietê, Grande, Paranapanema, Paraná, Feio ou Aguapeí e do Peixe, através do registro fotográfico efetuado entre 1886 e 1910, resultante dos levantamentos e sistematização dos trabalhos as da CGG no então chamado sertão paulista.
Os Rios da Comissão Geográfica e Geológica – Documentos do Passado - 1886 a 1910” – é uma exposição itinerante que resgata a história da hidrografia paulista e das viagens heroicas realizadas nesse período por uma equipe multidisciplinar através de um território paulista até então parcialmente desconhecido.

Duração da Exposição: 23/11/17 a 24/01/18
Palestra e Vernissage: 23/11/17, das 9h às 12h.
Palestrante: Sra. Silvana Pettinato Lucio – Doutora em Arquitetura e Urbanismo / FAU-USP
Tema da Palestra: “A ação da Comissão Geográfica e Geológica na apropriação e produção do território paulista entre 1905 e 1931”

Coordenação
: Ricardo Fraga Oliveira e Gustavo Agni Beuttenmuller
Pedestres: Portão 7A.
Estacionamento: Portão 7 da Av. República do Líbano (Zona Azul).

terça-feira, 14 de novembro de 2017

13o Pixel Show


Criativos do Brasil e do mundo trazem ao Festival Internacional de Criatividade Pixel Show música ao vivo, sessões de live painting com ilustradores e grafiteiros, simuladores, games de realidade virtual e ainda proporcionam reciclar conhecimentos em palestras dinâmicas - as Sharp Talks.

Em um só fim de semana – dias 2 e 3 de dezembro de 2017 – o 13o Pixel Show pretende atrair 35 mil pessoas a São Paulo, provenientes de todo o Brasil e de vários países da América do Sul. E o melhor de tudo é que é possível aproveitar o evento sem tirar um real do bolso, já que grande parte das atrações é gratuita e cativa tanto quem busca diversão como informação – ou até umas comprinhas exclusivas a preços justos.
Para entrar na Feira de Criatividade do Pixel Show, que ocupa todo o pavimento térreo do Espaço ProMagno(rua Samaritá, 230, na Casa Verde, na capital Paulista), o visitante não paga nada. Ali se concentram cerca de 100 marcas, que expõem e vendem de itens de decoração a peças de roupa – de estilo difícil de encontrar em lojas convencionais –, passando por ilustrações, livros e revistas. A essas marcas, somam-se outras 100, com mercado que está em plena ascensão: são os artesãos independentes que, pela primeira vez no Pixel Show, conquistam área exclusiva, o Espaço Makers, com mais publicações, objetos de design e acessórios, entre tantas outras coisas fantásticas e imperdíveis de se ver.
“Desde seu quarto ano de existência, o Pixel Show investe em atividades abertas ao público. Como um dos maiores festivais de criatividade do mundo, temos a responsabilidade de oferecer atrações gratuitas e diferenciadas com acesso liberado ao público: hoje, 80% do Pixel Show é livre de custo para os visitantes”, informa Allan Szacher, idealizador do evento, que é organizado pela Zupi.

Experiências imersivas
Passeando pela Feira do Festival, o visitante pode conferir os estandes de expositores que levam ao evento simuladores (de corrida, avião ou asa-delta) e jogos de realidade virtual. Se for o caso, garanta seu lugar na fila para aproveitar, de graça, o que o mercado da tecnologia voltada ao entretenimento tem produzido por aqui. Em um dos games, inclusive, aparatos de realidade virtual guiam o jogador em uma verdadeira imersão pelo cenário, montado no estande, para que ele cumpra as tarefas necessárias para chegar ao fim do jogo.

Arte ao vivo
Mas a agitação em torno de uma atividade na Feira do Festival de Criatividade pode ter outro motivo: grandes painéis, nos quais street artists e ilustradores realizam, ali diante do público, seu trabalho ao vivo. Serão diversas sessões de live painting a cada dia, com artistas diferentes, em pontos específicos distribuídos pela Feira. Quem já tem presença confirmada são os grafiteiros Fabiano Senk, Grego, Karen Kueia e André Gonzaga (o Dalata), o fera em stêncil Daniel Melim, a pixel art do casal 8-Bitch Project e a Marina Rodrigues, com sua tape art.
Essa atividade articula-se à filosofia do Pixel Show de aproximar artista e público, promovendo interações, trocas e aprendizados entre eles. E o melhor, rodeado de uma atmosfera descontraída e de múltiplas atrações acontecendo simultaneamente.  E tem mais, qualquer pessoa do público pode também deixar a sua arte e sua marca no painel público de ilustração e arte.
Papo reto

Outra atividade que acontece gratuitamente são as palestras de curta duração, no modelo consagrado pelosTED Talks, que ganham o nome de Sharp Talks no Pixel Show.  Nesta edição, elas terão um de seus módulos, o Business, inteiramente dedicado a pequenos empreendedores. Realizado em parceria com o SEBRAE, o módulo convida especialistas em contabilidade, expressão da criatividade, software de vendas pela internet e crescimento do mercado plus size, tendo sempre a inovação e o micronegócio como focos. Participam também associações e profissionais de áreas diversas, ligados à economia criativa.
Dois dos pontos altos dentre as Sharp Talks serão as palestras ministradas pela assessora da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos – Apex-Brasil, abordando ora mulheres em cargos estratégicos, ora a preparação de empresas brasileiras para participarem de eventos internacionais. Outro nome de peso dentre as mais de 80 minipalestras confirmadas até o momento é o da WGSN, agência referência mundial em pesquisa de tendência, que traz Julia Curan para falar de direcionamentos do consumo para 2018. E o documentário codirigido pelo papa do design gráfico Stefan Sagmeister, The Happy Film, ainda inédito no Brasil, ganha exibição gratuita no evento, em uma sessão de Sharp Talk que terá, excepcionalmente, uma hora e meia de duração.
Os assuntos abordados incluem, ainda, branding, arquitetura, captação de som, tipografia, lettering, treinamento empresarial, stop motion e gestão de comunicação de marcas.
Quem se interessar por qualquer uma das Sharp Talks deve ficar atento à programação, já que as vagas são limitadas e a entrada na sala é por ordem de chegada. Vale lembrar que estão previstas mais de 100 Sharp Talks durante o final de semana, todos gratuitas.

 Cena independente
Com o palco de sua Arena Musical, atividade também aberta ao público gratuitamente, o Pixel Show segue colocando artistas novos frente a frente a seus ouvintes e abrindo caminho para o trabalho de bandas independentes.
Este ano, o line up conta com o trio paulista Voltaire, que está vivendo um 2017 agitado, com a premiação no Pindorama de Música, a boa colocação na votação para tocar no Lollapalooza 2017 e um novo lançamento, de“O Sol Já Vem”. Os cinco moços da paulistana banda Hotelo também têm espaço garantido, levando seu som de bem com a vida, com suingue e influências de ska, aos fãs de seus três discos e do mais recente EP Chama. O compositor Thiago Romano se reúne à sua banda de apoio, com guitarra, baixo, bateria, teclado e ukulele, para apresentar suas baladas sensíveis, em especial as do álbum solo O Rei do Asfalto
Os chegados em batidas mais pesadas não devem ficar longe da Arena Musical durante a apresentação da banda Persia, com seu rock alternativo, e do quarteto Mask Down, que leva ao palco o mais recente EPCaosmentalmotim. Estas são apenas algumas entre as previstas 30 atrações musicais que se apresentarão nos dois dias do Festival Internacional de Criatividade Pixel Show.
E para os que, além de curtir muita novidade e networking na Feira, também quiserem aproveitar a oportunidade para investir em criatividade, ainda há ingressos para a Conferência Internacional de Criatividade, além de vagas para os mais de 40 workshops dos mais variados segmentos. Os ingressos possuem venda online e também podem ser adquiridos no local do evento.

Sobre o Pixel Show 2017:
Maior festival de criatividade da América Latina, o Pixel Show – que realiza sua 13a edição no fim de semana de 2 e 3 de dezembro no Espaço ProMagno, em São Paulo – reúne palestras, workshops, atrações musicais, sessões de live painting e um festival de tatuagem, atrações de realidade virtual e simuladores, exposição de arte e de Lego (feita por membros da LUG), entre diversas outras atividades paralelas. Em sua Feira de Criatividade, cerca de 200 marcas, consagradas e novatas, têm espaço privilegiado de venda e contato com seu público-alvo. Estima-se a visitação de 35 mil pessoas neste ano. www.pixelshow.com.br.